João, Hugo e Joel

São Silvestre de Lisboa, 2014

Inscrito pela Em’Força, fiz a prova, tal como no ano passado, a envergar essa camisola. Chegado cedo à zona, encontrei-me com algumas das Tartarugas Solidárias e amigos dos Friends 2 Run e depois, com o Joel, que por artes mágicas me providenciou acesso à zona VIP da prova.

Foi a segunda vez que estive numa zona destas numa prova de corrida. Da primeira vez, confesso que não gostei muito, e me senti “enjaulado”, desta vez, senti-me “livre”, pois a entrada e saída da área eram simples e a área ampla, e sem “fogueiras de vaidades” também.

Foi realmente uma benesse ter acesso à área VIP. Chá (bebi um, verde, antes da prova), café, cerveja águas, sumos e comida ligeira à disposição, WC’s sem fila (que não usei), um bengaleiro sem grande confusão (esse usei) e, é claro, celebridades presentes, de vários quadrantes sociais e também muitos anónimos, como eu.

Saídos cá para fora, encontro com alguns dos participantes que envergavam a camisola da SPEM, Tartarugas Solidárias, Run Lovers e, dirigi-me para o bloco de partida (SUB-60) com o Joel e o Joel José, encontrando a Rita e o Pedro pelo caminho. É política da HMS separar o acesso VIP ao acesso ao bloco de partida, ou seja, no meu caso o tempo era SUB-60, não há cá partidas na Elite. Acho justo e mais do que aceitável, e evita situações complicadas de atropelamentos no arranque, pois já é complicado o suficiente encaixar 10.000 pessoas no espaço onde decorreu a prova, quanto mais colocar #empatas na frente da prova…

Dada a partida, fomos em modo “no mercy”, nada de “espírito do Trail” nem “espírito do Natal”, é cada um por si e encontramo-nos na chegada. Eu, ia fisgado para bater o meu MTP (Melhor Tempo Pessoal) e fazer a prova em menos de 50 minutos portanto, arranquei por ali abaixo como se não houvesse amanhã.

Enquanto estávamos na descida, e na linha do eléctrico, tudo muito bem e muito rápido, já depois do Cais do Sodré, a direito, mais escuro e sem obstáculos assinaláveis (pinos e caixotes do lixo no meio da faixa não contam), adormeci. Abrandei e comecei a perder a vontade de correr. Não gosto grandemente de correr a direito e sabia que era só uma fase na prova mas mesmo assim, estabilizei e aguentei, até de novo na Ribeira das Naus já no regresso ter voltado ao normal.

A partir daí o ritmo aumentou, e na subida da Avenida da Liberdade ultrapassei (mesmo) bastantes pessoas. Na descida, sem história. Focado e a dar o máximo, tendo que abrandar por vezes devido a participantes “em linha” cheguei à meta 21 segundos abaixo do meu objectivo. Lá, à minha espera, o Joel, que tinha chegado um pouco antes. Um abraço, merecido, uma foto e, de novo para a zona VIP.

Sentei-me, um pouco, com uma garrafa de água e um bocado em choque. Foi duro, estava frio e realmente continuo sem treinar “a direito” e isso nota-se quando puxo por mim. Um chá de menta depois e já estava estabilizado, mudei a parte superior da roupa e fui ficando, e conversando, ainda acompanhado pelo Joel. Ele foi embora, fiquei em silêncio, bebi mais um cházinho, fui-me meter com o Nuno Markl e a Ana por causa da fotografia da senhora sentada na pilha dos livros e arranquei para casa, porque a vida não é só corrida ;)

2 comments

  1. Parabéns pelo teu tempo João! Acesso à zona VIP é outra coisa :)

    Um abraço

  2. Muito bem João! Parabéns pelo PBT quebrado :)

    Boas Festas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *