Tartarugas Solidárias e amigos

Marginal à noite 2014

Marginal à noite, parecida com a de 2013, mas ao mesmo tempo muito diferente.

Desta vez, inscrito atempadamente. Aproveitei a promoção que a Sport Zone lançou umas semanas antes, onde devolvia 100% do valor da prova em cartão, e inscrevi-me na Marginal à noite de 2014. Mesmo sendo uma prova curta (8km) num percurso não especialmente atraente (Marginal, de Santo Amaro de Oeiras a Caxias e voltar) devido a ser escuro, e praticamente não se ver o mar, a prova vale pelo convívio entre pares, e foi isso mesmo que valeu.

Cheguei cedo, duas horas antes do início da prova. Encontro com as Tartarugas Solidárias, ou melhor, Mega Encontro porque, Tartarugas Solidárias, eram mais do que muitas. Não levei a minha tshirt das Tartarugas, levei a do Portugal Running. Ao que sei, foi nesta prova que o grupo começou, teoricamente será o seu aniversário mas, infelizmente, só lá estavam duas camisolas do grupo (que eu tenha visto, e vi muita gente) e usada durante a prova então, foi só uma…

Adiante, encontro também com outros amigos e conhecidos, no início da prova, que se adivinhava festiva. Tinha comigo o kit do Monster Junior Pedro e do Monster Teacher Daniel, que chegaram, por aí, meia hora antes da prova começar, e fizeram com que, em todas as fotografias onde apareço antes da prova, esteja de saco à tiracolo.

Este ano, não fiz como em 2013. Nesse ano, fui cedo e jantei no MacDonalds. Este ano, fui cedo na mesma mas comi uma Total Protein Bar de iogurte, da Gold Nutrition, com uma garrafa de água e, senti-me muito melhor e mais leve a noite toda.

Depois de todo o convívio inicial, reencontro com os membros do Monsters Running Club presentes e optei por me juntar e fazer a prova com o Monster Teacher. Perguntei-lhe o que esperava fazer, quanto já tinha feito e se queria mesmo definir um objectivo e levá-lo à séria. Eu, levava na cabeça os 45 minutos (líquidos) e então…

Tiro de partida

No arranque, o previsto “Passeio de Avós e Netos”, sem desprimir nem para avós, nem para netos mas, na Avenida Marginal, em Santo Amaro de Oeiras, encaixar 6.000 pessoas, para correr, é obra. A zona da partida estava dividida a meio, na zona da esquerda os participantes com chip, na da direita os participantes sem chip. Eu e o Daniel demorámos cerca de dois minutos até ao pórtico de controle horário e, como era de imaginar, estávamos dentro de uma lata de sardinhas.

A partida de ambos os grupos pareceu-me ser dada em simultâneo, o que acaba por não ter muito nexo pois são grupos diferentes com objectivos diferentes, e esse é um dos factores do “pé atrás” para ir ou não a esta prova. Bem sei, se me quisesse livrar disso, era colocar-me mais cedo e mais à frente na linha de partida mas, depois, perdia a festa. Lá fomos então, a bom ritmo, ora o Monster Teacher a puxar por mim, ora eu a puxar por ele, muitos “com licença” e muitos “zigue-zagues”. Incrivelmente, ainda na recta da meta, já a chegar, tinhamos de pedir com licença para ultrapassar.

No quilómetro seis, o momento de Fé. A força de um grupo é sempre a força do menos forte no grupo, e não era altura de deitar tudo a perder quando estávamos mesmo a chegar ao fim. Puxei e motivei o Monster Teacher como pude, o melhor que pude, pois não ia deixar o meu amigo ali na mão, e muito menos deixá-lo morrer na praia. Acelerámos então depois de mais uns suspiros, e acabámos o último quilómetro numa cadência de cerca de 4:08 por quilómetro. Fizemos a prova em 42:44 (líquidos) e ficámos abaixo dos 45:00 (brutos), espetacular.

Cheguei mais do que inteiro, e senti-me uma autêntica cerejeira, que colocou a cereja no topo do bolo de um amigo e companheiro de corrida.

No final

Reencontro com a maior parte do grupo inicial, depois das águas e isotónicos fornecidos pela organização. Mais umas fotografias e, na hora de ir embora, em vez de ir de comboio, acabei por aceitar a boleia do Vasco até casa, numa viagem como sempre bem animada. À chegada, depois do banho, um lanchezinho leve e sofá, a ver as 24 horas de Le Mans, porque a vida não é só corrida ;)

As fotografias

Algumas das fotografias na galeria foram gentilmente cedidas pelo Marco Borges, Lénio, Nuno Marques, Tiago Veiga e Vasco Magalhães.

3 comments

  1. Foi uma boa prova! Era para ir lá pela primeira vez este ano, mas acabou por esgotar e pelos vistos ainda bem que não fui… se à coisa que eu ando farto é da confusão das partidas das provas sem blocos de partida!

    Bons treinos, abraço!

  2. Parabéns por teres atingido o teu objectivo!

    Para mim a marginal à noite é uma prova que só participo porque para mim é embelemática, na versão de 2011 foi a primeira vez que participei numa prova de corrida e tenho feito desde então.

    Como tal uso-a como “medidor” do meu progresso a nivel de tempos, apesar de esta prova (na minha opinião) não ser para velocidades, pois é mesmo um mar de gente.

    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *