Um mês de TRE-C

passou praticamente um mês desde que comecei a treinar com um plano delineado pelo João Mota, do projecto Trail Running & Endurance  – Coaching. Algumas pessoas têm perguntado como tem sido treinar dessa forma. Ora, tem sido mais ou menos assim.

Terça-feira, 22h48. Depois de uma caminhada de cinco quilómetros em família nos Trilhos do Costume, onde deu para rever muitas e muitas caras conhecidas, numa noite mágica recheada de graúdos e miúdos, era preciso fazer o treino prescrito.

#ronhonhos nos #trilhos_do_costume

A photo posted by Joao Campos (@professorpixel) on

 

Parte do treino é equilibrar a vertente social com a vertente de trabalho e, o treino de ontem tinha mesmo de ser feito, ontem.

O enunciado era simples:

25' <133+ (8x6' ) + 10' < 144: Rampas com inclinação

Quer isto dizer, 25 minutos de corrida contínua com pulsação inferior a 133bpm, 8 rampas inclinadas a subir, durante 6 minutos cada uma, voltar à base o mais rápido possível e no final, 10 minutos de arrefecimento com pulsação inferior a 144bpm. O percurso escolhido para as séries foi o trilho que sobe dos Pupilos do Exército até ao Caminho do Aqueduto, seguindo para cima pelo Trilho do Campo de Tiro, e tendo como alvo o Espaço Monsanto (onde há um bebedouro no topo), 670 metros desde a base ao bebedouro.

O Paulo Silva e o Bruno Matias ofereceram-se para acompanhar na aventura, sabendo de antemão que era um treino a solo. Fizemos o aquecimento juntos ao meu ritmo e depois a partir da base da rampa, seria cada um por si, encontrávamo-nos nos cruzamentos do sobe e desce, e no final para regressar para casa.

Arranquei forte, primeira e segunda série cheguei ao bebedouro com 30″ de folga. Terceira série já tinha “afrouxado”. Dessa repetição até à oitava só cheguei à passadeira de peões, a correr quando podia, a andar rápido sempre que não conseguia correr, a praguejar por todo o lado, sabendo que aquilo era uma seca mas que era necessário fazê-lo, e sem nunca baixar os braços. Na segunda repetição o Paulo foi-se embora, e fiquei com o Bruno, cada um no seu sobe e desce.

Com o Bruno, frescos no final
Com o Bruno, frescos no final

Duas horas e quarenta depois estava de volta a casa, a banho tomado e prestes a ir para a cama, a família já dormia e eu ia dormir, contente por ter cumprido o objectivo desportivo do dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *