Asics Running Lab, Junho 2016

A convite da Asics, fui à sua loja no Centro Comercial Colombo fazer o teste Asics Running Lab, um teste completo sobre a nossa forma física, postura a correr e não só.

Cheguei à hora marcada, e já estava a Cláudia à minha espera. Após apresentar a loja, encaminhou-me para a sala onde analisámos o relatório preliminar que eu já tinha preenchido e entregue por email. Não precisei de usar o vestiário (com chuveiro) disponível, pois ia equipado de casa, e fomos logo para o primeiro ponto do teste, exame das pernas e tornozelos.

A nível de flexibilidade de coxa e tornozelo, como esperado tudo nos níveis “normais”, moderados, digamos assim. Passagem para a “Tanita” para análise da composição corporal. No geral tudo bem também e dentro dos parâmetros normais, incluindo nível de hidratação. Somente nos níveis das “massas”, adiposa e não adiposa, é que foi encontrado algo a melhorar. Basicamente tenho de perder um bocado de gordura e ganhar um bocado de músculo mas, era algo que previa, só não sabia “quanto”.

A máquina para avaliação da força nas pernas.
A máquina para avaliação da força (G) nas pernas.

 

Na medição da força das pernas, numa cadeira parecida com as que os pilotos utilizam para testes de força G, concluimos que a minha perna direita é mais estável e forte do que a esquerda, sendo mais forte nos quadrícepes, pois claro, tendo de trabalhar os restantes grupos musculares de outra forma diferente do que faço agora.

Quanto ao teste aeróbico (VO2 max), segundo o teste e o meu passado (fumador de longa data, ex-fumador de há uns anos) a coisa não está nada má. De acordo com o teste ainda, conseguiria correr uma Maratona em cerca de 3h50. Tendo em conta que as que corri foram todas à volta das 04h00, imagino que treinando especificamente para isso consiga 3h45 um dia destes.

Com a Cláudia, antes do teste VO2Max
Com a Cláudia, antes do teste VO2Max

 

Em simultâneo, o teste de postura a correr, filmado em três ângulos que, no entanto, tive de repetir em dia posterior, devido a falha do equipamento video no primeiro dia, o que trouxe à baila uma questão de fundo, até que ponto o examinador influencia o resultado? Um bocado de especulação acerca do Gato de Schrödinger aqui, gato esse já referido também na parte do teste de medição de força.

Nesse teste, onde é analisada a forma de corrida, segundo a análise a minha cadência e largura da passada são “normais” embora tenha de fazer algumas correcções a nível de equilíbrio a nível dos ombros, pelvis e lombo. Reforço muscular, recomenda-se. No entanto, no primeiro dia que fiz o teste não me senti tão torto mas, foram vários os factores diferentes, máscara de análise para VO2 max ou não usar máscara, hora do dia em que o teste foi feito, e já estar “quente” da primeira vez que o fiz, ou seja, as circunstâncias não foram iguais e isso poderá ter tido influência (embora pequena) no desfecho.

Por fim, o teste Foot ID, feito com sapatos próprios para o efeito (sem amortecimento), com medição de ambos os pés e análise das características de cada um, constantando-se que sou pronador ligeiro, embora em valores onde não são sugeridos sapatos com correcção.

Quanto ao teste, no geral e em jeito de conclusão, gostei bastante de o fazer, e gostei bastante do resultado, científico e directo ao assunto como eu gosto. A maioria dos valores foi dentro do que eu estava à espera. Ressalvem-se a simpatia e os conhecimentos da colaboradora que guiou o teste (Cláudia Lucas), com resposta a todas as questões que coloquei, embora tenhamos deixado o Gato de Schrödinger no ar.

O resultado é um PDF com 28 páginas, uma cópia impressa, um DVD com os vídeos do teste da postura e um livro chamado Running Science Book, desenvolvido pela Asics para dar apoio ao Lab.

O PDF contém uma análise detalhada do atleta com base no teste total (e que pode ser feito por módulos), que demora cerca de duas horas a fazer, desde o alinhamento das pernas estático (parado) e dinâmico (a correr), força máxima exercida em várias intensidades de esforço, postura e equilíbrio, capacidade aeróbica e por fim algumas sugestões de treino de corrida, resistência e flexibilidade. Um ponto negativo, é o mesmo (PDF) ser fornecido em inglês, o que para mim não é problemático mas para outras pessoas, pode ser…

Por fim, o valor. Não é um teste acessível a todas as bolsas mas, vendo em prespectiva e dependendo dos objectivos, é um teste que traz grande mais valia a quem corre. O teste, deixou-me a pensar, e agradeço publicamente à Asics o convite para o fazer. Tentarei repeti-lo em Junho de 2017, de forma a poder avaliar a minha evolução durante o ano que começou nesse dia, 25 de Junho de 2016 ;)

2 comments

  1. Boa noite João. Gostei bastante da descrição do teste. Gostaria de saber o valor a pagar pelo mesmo. Obrigado

  2. jose martins

    boa noite! podem indicarme o custo do teste? obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *